Ascensão do Senhor

ascension01MOs Textos

A Realidade

Dizem que na implantação do ateísmo na Rússia, funcionários do governo entravam numa sala de aula e mandavam uma criança rezar o Pai Nosso. Depois dizia: “Você pediu o pão a Deus. Ele lhe deu? Não! É o governo que lhe dá o pão.”.

O pensamento é que a idéia de Deus só serve para iludir as pessoas, alienar, fazer com que esqueçam os problemas e as responsabilidades pelo bem comum. A religião era chamada de ópio do povo, hoje a gente diria “droga genérica” ou “droga psicológica”.

Será que não há aí uma ponta de razão? Para alguns a religião não é um meio de “viajar” para longe desse mundo e de suas mazelas? Jogar para Deus a solução dos problemas não será um jeito de fugir da própria responsabilidade?

A Palavra

Na narrativa da Ascensão na Primeira Leitura, observamos duas reações dos discípulos. Uma é de pensar que Jesus sozinho vai retomar o poder para Israel. Depois será a de ficar olhando para o céu. Os dois homens que lhes aparecem perguntam por que estão olhando para o alto. É preciso olhar para o chão da vida.

Nem vai se resolver situação social e política dos judeus, nem é para ficar olhando para o alto. Agora é a hora de os discípulos olharem para sua tarefa e missão neste mundo. Jesus agora só será visto quando “vier nas nuvens do céu”, no momento final da história.

No Evangelho, o mesmo autor do livro dos Atos dos Apóstolos fala da Ascensão no mesmo dia da Ressurreição do Senhor.

Os discípulos de Emaús voltam para Jerusalém e antes de terminarem de contar o que lhes aconteceu no caminho, Jesus aparece. Para demonstrar que é ele mesmo, come um pedaço de peixe, mostra os sinais da paixão e dá as últimas instruções. Vai com os discípulos até Betânia, onde se afasta deles e é elevado ao céu.

O sentido é o mesmo: A Ressurreição-Ascensão é a confirmação do caminho da cruz. Deus confirma que é pela cruz que se chega à vida, essa é a mensagem que os discípulos devem levar ao mundo.

O Mistério

A celebração semanal da Eucaristia nos lembra nossa missão: mostrar ao mundo, governado pelo egoísmo, a salvação que vem do amor, do humilde serviço gratuito a todos. “Este mundo dilacerado por discórdias” só será a mesa de irmãos, se a gente fizer “o mesmo que ele fez naquela Ceia derradeira”, partir-se em pedaços e der o sangue pelos pecadores.

José Luiz Gonzaga do Prado

Nova Resende – MG