Estudo dos Evangelhos › 21/09/2016

Evangelho de Lucas (16) – A pecadora da cidade

Banner-Lucas-001

Janela

Só Lucas (7,36-50) tem este episódio. Um homem fariseu chamado Simão pede que Jesus venha almoçar na sua casa. Uma mulher, conhecida pecadora da cidade, vai lá levando um recipiente de perfume, coloca-se aos pés de Jesus, molha-lhe os pés com lágrimas, enxuga-os com os cabelos e os perfuma. O fariseu suspeita de Jesus, ele não deve ser o profeta que dizem, não sabe que é uma pecadora que está tocando nele. E o toque do impuro faz que o outro se torne impuro. Mas, com uma comparação, Jesus mostra que a mulher, sem nome, mas pecadora conhecida, fez melhor do que o Sr. Simão, fariseu sem mancha.

As comunidades apostólicas

As comunidades onde brotou este Evangelho eram de gentios, considerados pecadores, como diz Paulo na Carta aos Gálatas (2,15). Mas os judeus também devem se considerar pecadores, como diz o mesmo Paulo nos primeiros capítulos da Carta aos Romanos. E Cristo morreu pelos pecadores (Rm 5,6-8).

Segundo alguns rabinos, seria melhor queimar a Bíblia do que deixar que uma mulher a lesse. Agora acabaram as diferenças (Gl 3,23), mulher agora tem valor.

Só nessas comunidades mulher e pecadores merecem tanto destaque. Nos outros Evangelhos uma mulher também perfuma a cabeça ou os pés de Jesus. Só em Lucas, porém, essa mulher é pecadora conhecida na cidade, chora aos pés de Jesus e ele a compara com o senhor fariseu de nome e prestígio que o convidou para almoçar.

As comunidades de hoje

Será que hoje ainda existem entre nós preconceitos de posição social, origem étnica, ou gênero? E quando se trata de mulher, negra e pobre? Mãe solteira ainda não carrega sozinha o filho, o pecado e a humilhação do pai solteiro ou adúltero, que permanece com seu nome e prestígio intocados? O Sr. Simão continua sendo o Sr. Simão e a mulher é a pecadora sem nome, conhecida na cidade.

E quantas vezes o episódio do Evangelho refere-se aos pés de Jesus? Os pés de Jesus são os pobres e os sofredores deste mundo. A pecadora lava, enxuga e perfuma os pés de Jesus. Uma novela da televisão ainda em preto e branco, “Saramandaia”, ilustrou isso. Um personagem se transformava em lobisomem nas noites de lua cheia. Sofria muito com isso. A atenção, dedicação e carinho de uma prostituta é que o libertaram daquele peso.