Estudo dos Evangelhos › 14/02/2018

Evangelho de Marcos (1) – Marcos, o inventor do Evangelho

Antes de se escreverem os Evangelhos atuais, havia muitos escritos soltos e sem uma ordem, uma costura dos acontecimentos e das palavras de Jesus. Eram apenas registros por escrito, das coisas que os Apóstolos e outros companheiros de Jesus contavam. Marcos foi o primeiro a escrever as “Memórias dos Apóstolos” em ordem, indo de João Batista até a Ressurreição. Deu-lhe o nome de Boa Notícia ou Evangelho. Foi o primeiro.

A Comunidade apostólica

A comunidade de Marcos sabia que era uma boa notícia o fato de Jesus, aquele pobre galileu crucificado, ser a esperança da humanidade. Uma boa notícia que eles deviam levar para todo o mundo. Na época, os zelotes estavam tentando tomar o poder dos romanos. Era uma loucura, o início de uma grande desgraça.

Jesus era o começo de uma coisa nova que deveria chegar ao mundo inteiro. Por isso, Marcos deu ao seu escrito o título de Evangelho, que quer dizer “boa notícia”. Mas o escrito era só um começo, a continuação é por conta da comunidade. Por isso, ele diz assim: “Início da boa notícia (ou evangelho) de Jesus o Messias, filho de Deus”.

As comunidades de hoje

Será que ainda hoje a história da vida de Jesus chamada Evangelho é apenas o começo da boa notícia? Como dar continuidade? Será boa notícia esperar a salvação da humanidade de um condenado à pior das mortes? Pode-se acreditar que uma pessoa condenada pelas autoridades deste mundo tem a ver com Deus? Será que Deus vai se ligar tanto assim a um condenado? Vai colocar nele a esperança da salvação para todos? Boa Notícia por quê?

A Boa Notícia ainda não acabou de chegar. Mal começa a se espalhar. Ainda se acredita pouco no valor do pequeno e das pequenas coisas. Precisamos mostrar que a coisa é diferente. Tentam fazer de Jesus um rei potente, para esconder que ele foi um condenado pela sociedade. Precisamos dar a boa notícia de que Deus levanta aquele que o mundo derrubou. Precisamos mostrar o lado escondido, o lado de Deus.

Ainda querem que a gente esqueça os condenados do nosso mundo para aplaudir os corruptos e os arrogantes. Precisamos mostrar que os condenados à fome e à miséria clamam que está tudo errado. A Boa Notícia de que Deus está do lado deles ainda está só no começo e precisa ir em frente.