Estudo dos Evangelhos › 28/03/2018

Evangelho de Marcos (7) – Jesus, o cangaceiro

Janela

O Evangelho segundo Marcos diz que Jesus foi crucificado entre dois bandidos. Que significava esse termo para eles? A quem davam o nome de “bandidos”? Os numerosos pequenos proprietários da Galiléia estavam perdendo o que tinham. Os muitos e pesados impostos cobrados pelo Império Romano, os dízimos e taxas do Templo e os juros altos pagos a judeus ricos faziam com que perdessem suas terras, seu único meio de vida. Tudo perdido, “partiam para o cangaço” como se dizia no nordeste brasileiro, uniam-se em grupos para assaltar a fim de sobreviver e distribuir os alimentos nas aldeias ao povo que não tinha o que comer. Esses eram os “bandidos”, movimento social e político semelhante ao de Lampião, “o rei do cangaço”. Eles se deram o nome de zelotes.

A Comunidade Apostólica

A comunidade primitiva que nos deu o Evangelho de Marcos não se envergonhava de se dizer discípula de alguém que foi confundido com um “bandido”, um cangaceiro. Ele veio da Galiléia, lugar de origem dos “bandidos”, era pobre e de uma aldeia pobre, teve um grupo grande de discípulos que o seguiam em tudo, foi acolhido em Jerusalém como o Rei-Messias. Pouco antes de o Evangelho ser escrito, o mesmo aconteceu com os líderes dos “bandidos”, os cangaceiros palestinenses que, em seguida, tomaram o poder em Jerusalém. Mas a comunidade deste Evangelho sabia perfeitamente que Jesus ia muito mais ao fundo do que os “bandidos” ou cangaceiros da Palestina. Jesus sonhava com uma mudança social e política, sim, mas ia mais a fundo, queria arrancar pela raiz a causa da desordem social e política, a cobiça de glória e poder.

As comunidades de hoje

Muita gente boa hoje teria vergonha de dizer que Jesus foi confundido com um cangaceiro. Há certo pudor (por quê?) de se dizer que Jesus é Evangelho ou Boa Notícia para os pobres, má notícia para os poderosos que se engordam ás custas do sofrimento dos pequenos.

Em vez de dizer que ele foi mais a fundo do que os “bandidos”, costuma-se dizer que a mensagem dele é totalmente outra, que nada tem a ver com as mudanças sociais e políticas pelas quais os “bandidos” lutavam. Coloca-se Jesus no céu, inteiramente desligado da terra. Aqui cada um faz o que quiser e nós nada temos a ver com isso, nossa mensagem é só para a outra vida. Será? Por que será?