Notícias › 05/09/2015

Paróquia de Cabo Verde celebra 258 anos de evangelização

caboverde_02

Neste ano, a Paróquia Nossa Senhora da Assunção de Cabo Verde celebra 250 anos de fundação e 258 anos de presença no município. A Paróquia conta com pastorais e movimentos articulados e dinâmicos, bem como atendimento pastoral nas áreas urbana e rural. Além de duas festas tradicionais da cidade, os fiéis organizam bailes, jantares dançantes, almoços e outros eventos sociais. Em relação à evangelização, além das festas religiosas, muitas formações e encontros, além de um trabalho especial com pessoas necessitadas e entidades assistenciais de Cabo Verde.

Há dois anos, no dia da Padroeira, a paróquia realiza o Evangeliza-Show com a participação de moradores da cidade e também da região num dia de oração e de shows com o objetivo de evangelizar e promover a música católica. No dia 15 de agosto, aproximadamente 10 mil pessoas comemoraram o dia Nossa Senhora da Assunção, além de celebrar a vida de todos que doaram suas vidas pela evangelização nestes 250 anos.

caboverde_03

Confira o relato histórico produzido pelo Conselho de Pastoral Paroquial

“Fazemos por bem escrever este relato após acurada pesquisa em nossos livros históricos e ouvindo pessoas antigas desta cidade de Cabo Verde, nesta referida Paróquia de Nossa Senhora da Assunção, no ano em que se celebra 250 anos de histórica paroquial em registros oficiais do Império e no que tange aos registros eclesiásticos.

O povoado onde seria mais tarde nomeado por Verissimo João de Carvalho, como Arraial de Nossa Senhora da Assunção, por ter chegado nestas terras no dia 15 de Agosto, teria sido descoberto em 1717 em livros mais antigos, contudo sua expansão e interesse por estas terras se deram por conta do caminho do ouro como segue: Veríssimo João de Carvalho foi nomeado intendente de Santana do Sapucaí (Silvianópolis-MG) por D. Luiz Mascarenhas e, Descobriu ouro na área em que se ergueu o arraial de Cabo Verde-MG e foi seu fundador (DOCUMENTOS INTERESSANTES, 1896: L). Segundo Guerino Cassasanta: “Ele subiu a serra em 1759, fez o caminho de Ouro Fino a Cabo Verde em 1760, mas só se fixou na [fazenda] Gineta em 1763” (1952), um ano antes de Luiz Diogo ter iniciado o seu “giro” saindo de São João d‟El Rei. A fazenda da Gineta ficava do lado de fora da Caldeira, a oeste. Cf: Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH • São Paulo, julho 2011.

A então chamada Freguesia de nossa Senhora da Assunção fora reconhecida como paróquia, nomeada pelo Império e pelo Bispado da Diocese de São Paulo em 1765, período marcante de brigas territoriais entre os governos de Minas e São Paulo e também brigas entre Diocesese, uma vez que A Diocese de Mariana havia se apossado das Paróquias próximas ao Rio Grande. Conforme consta nas primeiras paróquias Mineiras: Essa região, conhecida como o Sul-de-Minas pertenceu no eclesiástico ao bispado de São Paulo, do ano de 1775 a 1900. A assistência religiosa, era desempenhada pelos padres paulistas, no século XVIII, haviam seis paróquias na região todas elas sujeitas diocese de São Paulo, sendo elas: Santa Ana do Sapucaí, ereta em 1748, Ouro Fino 1749, Delfim Moreira 1762, Jacuí também no mesmo ano, Cabo verde 1765 e Camanducaia 1779. Percebam, que Pouso Alegre ainda não é uma Freguesia2, a elevação da Capela do Mandu em Pouso Alegre à freguesia se deu no ano de 1810. (Cf: FRANCO, Hiansen Vieira. O Clero Paulista no Sul de Minas.).

Os padres nesta época eram destacados para o serviço religioso, mas também eram destacados pelo imperador, pois no regime de padroado o Imperador destacava e confirmavas o Padre das Paróquias, pois muitas vezes estes possuíam com funcionários da coroa, faziam escriturações bem como recebiam poder para dividir as terras da coroa.

Sendo assim, viemos saber mediante pesquisas, que todas a terras bem como todas as praças das cidades: Divisa Nova, Machado, Alfenas, Monte Belo, Caldas, Botelhos, Campestre, Machado, Muzambinho, Nova Rezende, Caconde, São José do Rio Pardo, dentre outras; foram demarcadas igualmente por esta Paróquia supra citada e que o Padre João Domingos Figueira e considerado historicamente o fundador da cidade de São José do Rio Pardo. O território da Paróquia no inicio poderia ser comparado ao território de muitas dioceses hoje.

O primeiro registro de Batismo data de 05/03/1764 ministrado pelo Vigário Joaquim Pedroso. Ate 1890 o Bispado de São Paulo e o Imperador colocava os referidos Párocos em Cabo Verde; após esta data do fim do padroado, o Bispo de São Paulo que provia atá a criação da Diocese de Pouso Alegre que em 1911 fixou contrato com a congregação dos da Ordem dos Franciscanos, tendo como Primeiro Vigário: Frei Martinho Tiesselink. Os franciscanos ficariam ate o ano de 2003 voltando á Paróquia ao governo da Diocese de Guaxupé.

No retorno da Paróquia a administração da Diocese de Guaxupé assumi a Paróquia Padre Heraldo de Freitas Lamim que fica ate Março de 2006, esforçando para atualizar a paróquia com o plano da Diocese e implantas as Festas sociais, bem como outras Pastorais. Com a saída de Padre Heraldo, assume a Paróquia o Jovem Diácono Henrique Neveston da Silva em 30 março de 2006, sendo ordenado presbítero em 28 de Abril de 2006 e efetivado como pároco.

  • No âmbito patrimonial, destacam-se a reforma da Capela Sagrado Coração de Jesus, a reforma da Capela de São Benedito, do centro de Pastoral e Cozinha industrial; Construção da secretaria e reforma do salão Dom Mauro, Reforma da Casa Paroquial e Mobiliário; reforma e ampliação de todas as capelas rurais; compra de terrenos e a implementação de um bom sistema de administração Paroquial.
  • No âmbito Pastoral, implementou as caminhadas eco-religiosas, implementou e dinamizou a semana da Família, criou grupos de formação e MECES; fortificou os conselhos pastorais, criou novas pastorais, além valorizar a espiritualidade em datas expressivas da Igreja. Neste Período Contamos também com vigários que muito somaram em nossa Paróquia com os Padres Alessandro Oliveira Faria; Padre Moisés Campos Gonçalves; atualmente com a o pastoreio cativante e alegre do Padre Edson Alves de Oliveira, um exímio evangelizador.

A paróquia sempre precisou ser ecumênica, uma vez que a primeira congregação protestante fora fundada aqui em 1871, muitas embates aconteceram, mas o povo sempre conviveu em paz e em harmonia. No inicio do século XX o bispo preocupado com a situação da Evangelização na Paróquia pede ao Padre que este providenciasse um Colégio de Freiras com as irmãs do Sagrado Coração e a devoção ao Sagrado Coração de Jesus.

Em 1959 a Igreja Matriz passava por sua quarta grande reforma em 50 anos, mantendo a característica que se encontra atualmente de um estilo Neo-Gótico. Neste mesmo ano aconteceu em Cabo Verde um congresso Mariano que reuniu toda a Diocese de Guaxupé, coroando um nova fase da evangelização e a abertura para o trabalho nas capelas Rurais”.

Com informações do Conselho Pastoral Paroquial.

.