Notícias › 25/08/2016

Projeto Social busca entrosamento e parceria com instituições caritativas

DSCN3376

Uma entidade que atua há mais de 50 anos em Guaxupé. Atende cerca de 140 crianças por dia em oficinas artísticas e esportivas. Única entidade da região que acolhe crianças em situação de risco e que não podem permanecer junto às suas famílias. Essas são algumas das credenciais que motivaram a Diocese de Guaxupé a realizar uma iniciativa-piloto na Casa da Criança.

O projeto intitulado ‘Gente de Fé’ visa à aproximação entre a diocese e as entidades caritativas de toda a região. A ideia buscada já há algum tempo, pelo bispo diocesano, dom José Lanza, padres e colaboradores da Igreja católica, foi realizada neste 25 de agosto. Além da doação de colchões e travesseiros, necessidades apontadas pela Casa da Criança, os colaboradores dos setores administrativo e pastoral estiveram na instituição para conviver com as crianças atendidas.

“Me senti comovida em vários momentos, ao ver a quantidade de crianças, a disponibilidade daqueles que ajudam, as apresentações artísticas e de ginástica. Foi contagiante, eu cresci um pouco mais hoje. Fiquei sensibilizada e com vontade de voltar, de fazer algo pelas crianças”. Esse foi o relato emocionado de Lázara Assunção, secretária de pastoral da diocese, que revelou gratidão pela oportunidade de conhecer a Casa.

Quem conhece a instituição parece se encantar com o trabalho realizado. Já há 3 anos, a irmã Marlene da Silva De La Torre, da Congregação das irmãs da Nova Betânia, atua como voluntária, ajudando com a espiritualidade das crianças e dos colaboradores. “É uma preciosidade, a gente cresce com eles e com a equipe de trabalho da Casa. Pra nós, é uma graça muito grande participar do voluntariado, é um enriquecimento a cada dia em todos os sentidos”.

DSCN3346

Na Casa, as crianças se dedicam às oficinas de dança, ginástica, canto coral, atividades que complementam o conteúdo escolar. Por dia, são oferecidas em média mais de 300 refeições e ainda há doações de material escolar, roupas e calçados às crianças mais carentes. Além da subvenção da Prefeitura Municipal, a entidade conta com a ajuda da população e iniciativas complementares, como bazar e eventos.

A diretora-financeira Cleide Aparecida Teixeira se mostra grata e esperançosa em relação ao envolvimento da população para o cuidado com a instituição. “É a vez da sociedade interagir e ajudar para que no futuro essas crianças que estão aqui hoje possam se tornar cidadãos de bem”. Com mais de 50 anos, a instituição já apresenta alguns resultados, mas esse trabalho não deve parar. “A gente luta muito por isso, os frutos virão daqui a alguns anos. A missão não é de um, mas de todos que possam vir como voluntários, visitar as crianças e motivá-las”.

Incentivador da proposta, dom José Lanza participou das atividades e afirmou ser missão da Igreja tornar-se modelo para toda a sociedade, “respondendo ao que pede o Evangelho”. “Não é só levar algo material, mas a nossa presença, partilhar a vida junto dessas crianças. É um jeito de viver o Ano da Misericórdia, fez um bem muito grande para os colaboradores da Diocese, despertou para a dimensão humana, sensível à área social”.