Regional Leste 2 promove formação missionária para seminaristas, em Guaxupé

“Ser missionário não é uma escolha, mas faz parte da ontologia do cristão”

foto_oficial_formise

Entre os dias 20 a 22 de maio, aconteceu a sexta edição da Formação Missionária para Seminaristas (Formise) do Regional Leste 2 (Espírito Santo e Minas Gerais) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Com representação de doze dioceses e arquidioceses do regional, o encontro foi realizado no Seminário São José, em Guaxupé. Participaram seminaristas das seguintes (arqui)dioceses: Belo Horizonte, Cachoeiro do Itapemirim, Campanha, Colatina, Governador Valadares, Guaxupé, Divinópolis, Itabira – Coronel Fabriciano, Ituiutaba, Januária, Mariana, São Mateus e Sete Lagoas.

O assessor escolhido foi o padre José Augusto da Silva, presbítero da Diocese de Guaxupé e professor de Teologia Pastoral na Faculdade Católica de Pouso Alegre. O tema central foi “O missionário-presbítero para uma Igreja da Misericórdia”, com inspiração no envio missionário do evangelho de João (cf. Jo 20,21).

Em suas falas, o assessor destacou a importância de se compreender a missionariedade como dimensão identitária e essencial para a comunidade cristã. “O que nos permite ser missionários é a experiência profunda do amor de Deus em nossas vidas, uma experiência real e existencial”. Numa análise de conjuntura da realidade, o padre considerou a formação missionária como meio eficaz para a evangelização. “Vivemos numa época de muitos discursos, por isso é preciso saber o momento contundente para fazer o anúncio da fé”.

Para o bispo referencial no Leste 2 para a Ação Missionária, dom José Lanza Neto, o evento é a concretização de um longo percurso de trabalho do Conselho Missionário Nacional (Comina) e do Conselho Missionário Regional (Comire) e atinge um grupo estratégico na evangelização. “Nós não conseguiremos motivar os fiéis leigos na missão, se os futuros e atuais padres não tiverem essa consciência [missionária], só assim, seremos uma Igreja acolhedora, missionária, com os olhos de Deus voltados aos pobres e aos necessitados”.

No depoimento do coordenador nacional dos Conselhos Missionários de Seminaristas (Comise), João Luiz da Silva da Arquidiocese de Mariana, é perceptível a consciência da urgência evangelizadora em diferentes contextos. “Nós estamos passando por um processo de mudança na sociedade, e a Igreja tem que acompanhar essas mudanças, por isso, precisamos de padres que não tenham medo de ir às periferias existenciais, que não fiquem no acomodamento, mas que vivam esse ardor missionário no seu ministério presbiteral”.

Após seis edições de Formise, já existem exemplos concretos da eficácia do encontro, idealizado desde o primeiro Congresso Missionário Nacional, em 2003. Isso é o que garante a coordenadora do Comire-Leste 2, Aparecida Alves Gonçalves, que esteve presente no encontro em Guaxupé. “No primeiro encontro, poucas dioceses acolheram [a proposta], mas hoje nós temos pessoas já ordenadas que fazem um trabalho bonito nas paróquias onde estão atuando, em experiências além fronteiras ou que anseiam por isso”. A coordenadora valoriza o apoio das instâncias missionárias em níveis diocesanos, regionais e nacionais como fundamental para os seminaristas, peças-chave na assessoria de alguns grupos nas paróquias, como a Infância, a Adolescência e a Juventude Missionárias.

Em entrevista, dom José Lanza esclareceu que a missão deve acontecer de forma ampla e concomitante em todos os níveis: províncias eclesiásticas, dioceses, paróquias e comunidades. “Para avançarmos mais nesse trabalho missionário, estamos planejando a realização do 1º Congresso Missionário do Leste 2, assim queremos que a animação missionária esteja também presente nas bases”.

Durante o encontro, foi eleita uma comissão de coordenação, com duração de dois anos, para o Comise, formada por seminaristas de diferentes dioceses: Ezequiel Messias Silva (Diocese da Campanha), Ludugério Rodrigues Almeida (Diocese de Itabira), Alexandre Ferreira Margarido (Diocese de Uberaba), Murilo Guedes França (Diocese de Januária), e Romário da Silva Campos (Diocese de Cachoeiro do Itapemirim).