Arquivo, Notícias › 29/09/2013

Encontro Diocesano de Coordenadores Paroquiais de Catequese

No dia 11 de setembro, coordenadores paroquiais de catequese se reuniram em Guaxupé, sob a orientação de Célia, catequista, psicopedagoga e grande colaboradora no processo de catequização, para um estudo sobre a catequese junto às pessoas com deficiência. O encontro teve início com oração. Após a explanação do tema, foram feitos trabalhos em grupos, o que movimentou dinamicamente todos os participantes. Houve uma troca enriquecedora de experiências e muitas sugestões para aprimorar a catequese e a pessoa do catequista. Partindo da visão de que a catequese deve se adequar de modo que integre a todos e que se faz preciso usar uma linguagem acessível aos catequizados, os participantes concluíram que a diferença no processo catequético é como se catequiza e quem se catequiza. “É preciso um olhar mais atento e mais fraterno para os catequizandos. Torna-se necessário fazer uma mudança não só no ambiente catequético, mas principalmente dentro dos catequistas.” Para que haja uma verdadeira inclusão de todos na Igreja e que o processo de catequese seja significativo, percebeu-se também que é preciso acolher sem diferenças, ver com os olhos do coração, falar como Jesus ensinou e amar ao próximo.

Catequese e inclusão, uma história de amor(texto produzido a partir do encontro) 

A catequese deve favorecer O acesso a informação, espaço iluminado Um encontro dinâmico Com um grupo integrado. O grupo de catequese Deve se adaptar às diversidades Para facilitar a autonomia e a mobilidade De crianças com as mais diferentes necessidades. As crianças devem ser acolhidas com carinho Olho no olho e abraço apertado Toda a turma em circulo E um encontro bem compartilhado. A inclusão é importante Não apenas para os que têm alguma necessidade Mas faz com que cresçam os que convivem Com as múltiplas diversidades. Podemos não ter recursos ideais Mas temos o método do AMOR Certos de que foi acolhendo o próximo Que catequizou multidões, o nosso SALVADOR. Nas diferenças nos completamos E vamos crescendo devagar A catequese deve ser ambiente Que mostre que nascemos para amar. A maior deficiência É a que passa pela alma e pelo coração Quando não aceitamos as diferenças E optamos pela exclusão. Quando amamos, tudo parece fácil E logo encontramos uma luz Devemos sempre nos espelhar No grande catequista, JESUS. De braços abertos acolhamos ao outro Façamos os nossos irmãos felizes Pois nessa vida não passamos De eternos aprendizes. Queridos catequistas Façam a diferença ao evangelizar Afinal foi Deus quem fez você Somente para amar… amar… Zenaide Aparecida Faleiros (Capetinga-MG)

Tags: