fbpx

A evangelização no sistema prisional como promoção humana integral

“Estive preso, e fostes me ver” (Mt 25, 36).

 

A Pastoral da Pessoa Encarcerada encontra espaço de atuação na doutrina social da Igreja, cujo foco é o ser humano em sua totalidade. Impulsionada pelas palavras de Jesus – que faz de uma visita ao cárcere, uma das sentenças escatológicas – a Pastoral da Pessoa Encarcerada busca fazer resplandecer o rosto de Cristo e de sua Igreja nos sistemas prisionais onde, muitíssimas vezes, a esperança permanece do lado de fora de seus portões.

 

No ano de 2021, a Pastoral da Pessoa Encarcerada da paróquia São Pedro Apóstolo, na cidade de Alfenas, completou seus quatro anos de trabalho pastoral, junto ao presídio cidade, que comporta encarcerados de várias regiões.

 

Embora o tempo pandêmico tenha lançado vários desafios, a partilha da Palavra e a assistência aos encarcerados não deixaram de acontecer. Foram dezessete meses de impedimento às visitas pastorais presenciais, em razão da pandemia do COVID-19. Porém, o serviço pastoral não deixou de ser realizado, nas mais diversas formas, em nenhum momento. Conscientes e com o coração incendiado pela missão, os agentes da Pastoral buscaram estratégias que propiciassem a “proximidade” aos encarcerados. Muitos eram os desafios, inclusive de ordem legal, mas inicialmente por meio de vigílias e novenas on line junto com os familiares e depois, visitas na porta do Presídio, inclusive com a bênção do Santíssimo Sacramento e celebrações da palavra por meio de caixas de som, foram acontecendo. Mantiveram-se as reuniões on line para o planejamento de ações possíveis e para momentos de espiritualidade e partilhas entre os agentes da pastoral, resguardando assim, a chama do serviço acesa e não permitindo a dispersão do grupo.

 

Posteriormente, conseguiu-se a autorização junto à direção do presídio, para a entrada de equipamento de som com uma celebração a palavra gravada no pen drive, semanalmente, nos mesmos dias e horários nos quais as visitas aconteciam anteriormente. Tais celebrações eram gravadas no estúdio da Pascom da paróquia São Pedro Apóstolo, por Padre Eder e um grupo dos agentes de Pastoral. Durante aproximadamente quinze meses, semanalmente, o serviço pastoral aconteceu por meio dessa estratégia que, surpreendentemente mostrou-se  muito enriquecedora, já que possibilitou que diferentes e muito mais pessoas fizessem a palavra. Com alegria, foi celebrada uma missa de natal em dezembro de 2020, autorizada por meio de solicitação da Pastoral, junto ao Juízo de Execução Penal da Comarca. Apesar das várias restrições (inclusive sem distribuição da Santa eucaristia), foi um momento solene e emocionante, que marcou o reencontro físico com os encarcerados

 

A partir de outubro de 2021 foi autorizada, semanalmente, a entrada de duas pessoas no pátio interno do presídio, somente para a celebração da palavra. Já com o avanço da vacinação, ainda em 2021, as visitas voltaram a acontecer de forma presencial, com o número reduzido de agentes. O padre Eder Carlos de Oliveira, coordenador da Pastoral Social Diocesana, empreendeu então um trabalho ecumênico, ao lado do pastor Jaílson de Souza Valim, da Igreja do Evangelho Quadrangular, no qual ambos acompanham as visitas, com orações e a pregação, buscando sempre mais alimentar no coração dos que se encontram encarcerados, o desejo por uma vida diferente, na caminhada comprometida com o Evangelho, que é fonte primordial de humanização.

 

 Tal estruturação tem permitido o atendimento espiritual e até mesmo material das necessidades dos irmãos encarcerados, cujo vínculo afetivo vai se fortalecendo a cada dia.

 

Vários são os testemunhos dos encarcerados e encarceradas, sobre o bem que a Pastoral realiza; também os testemunhos chegam por parte da direção do presídio destacando, o bom comportamento por ocasião do trabalho de evangelização.

 

O ano de 2022 inicia-se trazendo mais esperança ao coração daqueles que se comprometem com a causa da evangelização em ambiente prisional. É gratificante perceber o serviço junto aos encarcerados e suas famílias, ganhando espaço em mais cidades da Diocese de Guaxupé ,com leigos, leigas, clérigos, diáconos e seminaristas se empenhando nesse processo, especialmente com a ação da Equipe Diocesana de Promoção Humana Integral/Pastorais Sociais.

 

É tendo Jesus como horizonte de missão, Senhor e Mestre, Deus que se desperta e que se encontra nos encarcerados e encarceradas, que a pastoral segue o seu trabalho evangelizador, resgatando a dignidade humana muitas vezes esquecida, e  colocando-a no lugar que lhe é próprio. De fato é o que ensina a Constituição Pastoral Gaudium Et Spes  n 22: “Já que Nele, a natureza humana foi assumida e não destruída, por isso mesmo, também em nós foi ela elevada a sublime dignidade. Porque, pela sua encarnação, ele, o Filho de Deus, uniu-se de certo modo a cada homem”. Jesus de Nazaré, verdadeiro Deus e verdadeiro Homem, enviado para que “todos tenham vida, e a tenham em abundância” (Jo 10,10); é principio normativo da ação evangelizadora, com os olhos fixos Nele, a Pastoral da Pessoa Encarcerada segue o seu objetivo de ação neste ano de 2022.



Por Otávio Ari Aparecido Marques Lemes

Últimas Notícias

0:00
0:00